• Publicado em 03.12.2014
  • Por Vlad Machado

30 anos de Dragon Ball – A magia continua.

Vocês já pararam para pensar que Dragon Ball tem 30 anos? Bem, na verdade ele tem quase 30, completando três décadas exatamente no dia 03/12. São 30 anos de um dos maiores nomes dos mangás da história. Extremamente popular em todos os cantos do mundo.

Antes preciso me apresentar a vocês. Me chamo Vladimir e fui convidado pelo RedZone a participar do ZoneCast sobre Masami Kurumada e desde então me tornei membro fixo do site, sendo agora o WhiteZone! Queria ser o Black, mas como já tinha me lembrei do saudoso Tommy dos Power Rangers e decidi ser o WhiteZone. Bem, sem mais delongas, vamos ao que interessa

Aqui na JapanZone já falamos sobre o genial Akira Toriyama em um ZoneCast só pra ele (episódio #3) e também para falar do último filme lançado (episódio #6). Logo, logo teremos um ZoneCast somente para Dragon Ball.

Que comece a magia…

Sendo publicado entre 1984 e 1995, com 519 capítulos compilados em 42 volumes (Foram 11 anos de publicação! É muita coisa, já pararam pra pensar?), Dragon Ball conta a história do pequeno Son Goku, que morava sozinho nas montanhas e vivia pacatamente com sua esfera de quatro estrelas, até que uma garota chamada Bulma aparece procurando essa tal esfera e aí todo mundo já sabe a história…

Tudo começou por causa dessa pequenina.

Tudo começou por causa dessa pequenina.

Antes de estourar com Dragon Ball, Toriyama já tinha emplacado um sucesso na Jump, com o ótimo Dr. Slump. Um pouco antes de sua obra-prima, Toriyama escreveu Dragon Boy, que conta a história de um garoto com asas de dragão que luta kung-fu e tem que escoltar uma princesa. Dragon Boy serviu como um “protótipo” do que seria Dragon Ball 1 ano depois.

Goku e Chichi. Não, pera.

Goku e Chichi. Não, pera.

Aventura!

As origens de Dragon Ball foram inspiradas em Jornada ao Oeste, que conta a história do Rei Macaco Sun Wukong. Muitos dos elementos dessa história serviram de base para a obra, como o próprio Rei Macaco, o bastão mágico e a nuvem voadora

As primeiras aventuras de Goku continham um tom mais cômico, mais leve. Algumas coisas chegavam a ser meio nonsense, o que garantia ótimas tiradas engraçadas. A partir da série Z – lembrando que no Japão o mangá de Dragon Ball é uma coisa só, ao contrário do que foi aqui no Brasil – que começamos a ver uma história focada mais em lutas frenéticas e personagens musculosos, talvez uma influência da época ou pressão da editora.

O anime estreou em terras nipônicas no dia 26 de fevereiro de 1986, sendo exibido até o dia 12 de abril de 1989.

Um dos grandes triunfos de Dragon Ball são seus personagens carismáticos. Desde Goku, o protagonista de coração puro até um personagem de apoio como Lunch, por exemplo. Não que os personagens sejam psicologicamente bem desenvolvidos, mas eles têm um charme, uma graça que te faz gostar deles de alguma forma.

Ka… Me… Ha… Me… Haaaa!

Toriyama criou um universo único, onde humanos convivem em harmonia com animais antropomórficos de todos os tipos – inclusive dinossauros. A Terra onde se passa a história é uma vaga lembrança da Terra real, em que inclusive a contagem de datas é diferente.  A primeira fase de Dragon Ball além de ter uma ótima veia cômica, também era mais focada em aventuras, no caso a procura pelas esferas do dragão. Não que houvessem tantas lutas como foi na fase Z, mas a primeira fase da obra era mais focado na procura das esferas do dragão em si do que na porradaria desenfreada.

Mapa mundi de Dragon Ball

Mapa múndi de Dragon Ball

Mas o que são as esferas do dragão? São sete esferas mágicas (daí o nome da série) que são espalhadas pelo mundo e quem as reunir terá direito a pedir qualquer coisa. Sim, qualquer coisa. Por isso várias pessoas no mundo a procuram, para realizar desejos bondosos e também vários tipos de maldades. Sendo assim as aventuras de Goku e cia giram em torno da busca pelas sete esferas.

Dragon Ball foi dividido em 5 sagas, sendo elas:

Rei Pilaf
Tenkaichi Budokai – Jackie Chun
Red Ribbon
Tenkaichi Budokai – Tenshinhan
Piccolo

Vamos lá buscar as esferas do dragão...

Vamos lá buscar as esferas do dragão…

Porradaria!

Em abril de 1989 Dragon Ball chegava ao fim da primeira fase com o encerramento da Saga de Piccolo, com Goku já entrando na fase adulta para dar lugar a consagrada fase Z.

A fase Z estreou na TV japonesa ainda em abril, no dia 26, com o início da saga dos Saiyajins e seu irmão Raditz, onde mais tarde saberíamos as reais origens de Goku e o fato de ele ser um “humano” com rabo de macaco. Com uma pegada totalmente diferente da fase inicial, Dragon Ball Z era mais focado em ação e lutas frenéticas, como era o que estava na moda no Japão. Realmente não sabemos se essa mudança brusca na série foi ideia do Toriyama desde o começo ou foi pressão da editora. Importante lembrar que naquela época os mangás de porrada estavam em alta, tais como o clássico Hokuto no Ken.

Dragon Ball Z durou 291 episódios acabando em 1996 (Lembrando que o mangá acabou um ano antes), rendendo algumas partes excelentes, como a transformação em Super Saiyajin e outras ruins, como os fillers e uma já cansada saga de Boo.

Inicialmente a fase Z iria acabar na saga de Namekusei, finalizando ali a lenda do Super Saiyajin, o que seria um final perfeito para a série. Mas, devido a pressão das partes envolvidas e o enorme sucesso que a série fazia, Akira Toriyama estendeu em mais duas sagas, Cell e Majin Boo, com um final satisfatório.

Dragon Ball Z fechou com 4 sagas:

Saiyajins
Freeza/Namekusei
Cell
Boo

Em 2009 foi lançado Dragon Ball Kai, recontando a história da fase Z mas com a qualidade gráfica melhorada e bem menos episódios, sem nenhum dos fillers.

Ao todo já foram lançados mais de 15 filmes abordando todas as fases da série. Foram 3 filmes e 3 especiais da primeira fase, 14 filmes, 2 especiais, 6 ovas e 1 crossover da série Z e um filme da fase GT.

Uma pequena curiosidade: O desenho passava somente aos sábados no Japão. Imagina a angústia que foi para acabar os intermináveis cinco minutos da explosão de Namekusei?

Isso tudo em 291 episódios.

Isso tudo em 291 episódios.

E o GT?

Ainda explorando todo esse boom da série, a Toei lançou, no começo de 96, Dragon Ball GT apenas em anime. Com 64 episódios essa fase não agradou tanto assim, apesar dos esforços dos produtores em voltar as origens da série, com Goku sendo criança e baseado mais em aventura com a procura das esferas do dragão.

Apesar de não ser uma série com tanto sucesso, ela conteve um bom conceito que poderia ter sido explorado na fase Z, que eram os dragões das esferas.

Anime e mangá no Brasil…

Dragon Ball estreou oficialmente no Brasil no dia 19 de agosto de 1996, inicialmente no programa do Sergio Mallandro. Depois de um tempo ele foi parar no “Sábado Animado” do SBT, juntamente com Street Fighter 2 Victory, Fly e outros desenhos. O SBT havia comprado apenas uma parte dos episódios e sempre que chegava ao momento de Goku subir a torre, logo após a luta com Taopaipai, voltava tudo para o começo. (Lembrou-se de Cavaleiros e a Casa de Leão?) Mas ainda sim vimos momentos memoráveis, como a luta contra a Red Ribbon e o primeiro torneio de artes marciais, contra Jackie Chun. Somente alguns anos depois é que a Globo comprou a série completa e aí sim transmitiu a fase “criança” de Goku por completo. Finalmente tivemos a chance de conhecer novos personagens como Tenshinhan, Chaos e o grande vilão Piccolo.

A fase Z estreou aqui em primeiro de junho de 1999 no Cartoon Network e 4 meses depois, no dia 25 de outubro na Bandeirantes, em um quadro “solo” e depois mais tarde foi incorporado ao programa “Band Kids”, comandada pela bela Kira (Quem lembra?) e o bloco contava com outros desenhos, tais como o ótimo Tenchi Muyo, Cadillacs and Dinosaurs entre outros. A Bandeirantes exibiu a fase Z até o fim da Saga de Cell, para depois a Globo exibir a última saga, a de Boo e para mais depois comprar a série inteira e exibi-la, com bastante audiência e sucesso. Até mesmo a fase Z na Band sofreu com o problema de comprar X episódios. Lembro com exatidão do anúncio da Saga de Cell, com a Kira dizendo “E com vocês o novo Dragon Ball Z”, já no ano 2000 e logo depois o episódio em que o Trunks aparece.

O mangá de Dragon Ball chegou oficialmente ao Brasil no final de 2000, juntamente com Cavaleiros do Zodíaco, sendo os dois primeiros mangás publicados no país e teve a incrível marca de 83 volumes! Sendo 32 para Dragon Ball e outros 51 para a fase Z. Eu particularmente achei o máximo aquilo tudo, pois nunca pensei que tais obras vinham de histórias em quadrinhos. Um pouco antes dos mangás chegarem oficialmente por aqui a Editora Abril jovem havia lançado alguns movie books em 1997, que nunca achei nada em sebos, por exemplo. Como sou um assíduo leitor de mangás e não tenho mais paciência para enrolação, achei o mangá de Dragon Ball Z maravilhoso no aspecto de que a história flui sem problemas como os que vimos em sua série animada, com vários fillers totalmente desnecessários (Mas admito que Goku tirando carteira foi hilário).

Depois disso já foram lançados várias edições de Dragon Ball. Edições de luxo, edições em tanko igual ao Japão etc. O anime da primeira fase costuma ser reprisado no canal Tooncast na tv por assinatura. Normalmente perto da meia-noite.

E o futuro da série?

Nos últimos anos houve um novo boom de Dragon Ball, com lançamento de ovas, filmes e mangás. O grande destaque ficou para o filme “Battle of Gods” (Que já foi citado lá em cima e inclusive o discutimos em um podcast), lançado em 2013 com um bom sucesso e muitos produtos relacionados a série vendidos.

Desde então houveram bons lançamentos, como um mangá contando a história da mãe de Goku (Quem diria que os Saiyajins, brutos por natureza, pudessem amar?), um bom mangá chamado “Ginga Patrol Jako” que conta um pouco das origens da série por meio de um patrulheiro galáctico e a grande novidade para o ano que vem é mais um filme.

Obrigado, Toriyama!

Acredito que a infância e a adolescência de muitos leitores aqui tenham sido mais feliz com Dragon Ball. Para finalizar este artigo só temos de agradecer a essa mente genial de Akira Toriyama por ter concebido algo eterno e imortal como Dragon Ball. As aventuras de Goku e sua turma ficarão para sempre em nossas mentes.

“Não importa o que aconteça tudo vai ficar melhor”

Para finalizar, fique com as aberturas da série.

http://www.youtube.com/watch?v=JU11EdVMhss