Torcida Anime #1 – Slam Dunk

Olá, como vão? Acompanhando muitos animes e mangás de esportes?

Primeiramente gostaria de agradecer a todos que leram e opinaram no artigo de abertura sobre mangás esportivos que escrevi para o Japan Zone. Adorei o feedback de todos. Sei que nem todo mundo tem tesão em comentar em sites e tal, mas o feedback que recebi no facebook foi bastante agradável. E o nome da coluna será TORCIDA ANIME, em homenagem a vários mangás/animes esportivos que tem o esporte fantasioso – ou não – como temática. Obrigado mesmo! Manterei o nível sempre.

Como eu havia prometido no artigo anterior, começo com esse artigo a uma série onde pretendo apresentar vários animes/mangás esportivos. Acho que esse é um nicho pouco ou quase zero explorado no Brasil. Quem acompanha o mercado de mangás percebe que títulos voltados para essa temática são quase nulos por essas bandas e, como disse no primeiro artigo, mangás esportivos nos proporcionam belas histórias, como a que citarei agora.

“Eu sou um gênio”

É com essa frase extremamente autoconfiante vinda do protagonista que começo o primeiro Torcida Anime falando sobre o aclamado Slam Dunk! Pensaram no que? Super Campeões? Não, não! Se é pra começar com estilo, que seja com muito estilo.

Ficha Técnica: Mangá

Título: Slam Dunk (Suramu Danku)
Gênero: Esporte, comédia, drama, vida escolar
Autor: Takehiko Inoue
Mangá Publicado por: Shueisha
Estilo: Shonen
Tempo de Publicação: 1990-1996
Volumes: 31

Slam Dunk surgiu da mente e traços brilhantes de Takehiko Inoue baseando-se em como ele gostava de basquete na época do segundo grau. O fato de Sakuragi ter entrado para o basquete para pura e simplesmente agradar uma menina foi baseado exatamente no que Inoue fazia quando adolescente! Uma coisa bacana que pude perceber e procurei saber é que logo que o mangá começou a ser publicado, Inoue recebeu várias cartas de leitores relatando que passaram a jogar basquete após ler Slam Dunk! Lembram-se do que eu havia dito lá no primeiro artigo? Olhe como um “mero” mangá de basquete fez a diferença na vida de muita gente.

Começou bem, Sakuragi!
Começou bem, Sakuragi!

Primeiro Quarto

Slam Dunk conta a história de Hanamichi Sakuragi, um valentão membro de gangue e temido por todos devido à sua vasta cabeleira vermelha e por fazer parte de uma “gangue”. Mas não se engane, Sakuragi tem um bom coração. A obra começa exatamente no ponto em que Sakuragi recebe seu 50° fora de mulheres (Sim! Foram CINQUENTA FORAS. Recorde mundial.) e é azucrinado por seus amigos, zoando com ele de todas as formas possíveis. Por esses fatores, Hanamichi Sakuragi é bem impopular com as garotas.

Ao entrar no segundo grau, na escola Shohoku, Hanamichi vê a jovem Haruko Akagi e se apaixona por ela. A garota, ao ver o tamanho e o tipo físico de Sakuragi, pergunta se ele é jogador de basquete. Ele, para impressioná-la, diz que sim, que ele é um jogador de basquete e assim entra no time da escola.

A grande graça de Slam Dunk é o fato de que Sakuragi apenas diz que joga basquete para impressionar Haruko, mas no final das contas ele não sabe absolutamente nada de basquete. Quando digo “nada” é nada mesmo. Esse é o enredo básico da história, onde daqui pra frente se desenrola a história de Sakuragi e suas desventuras no time de basquete, aprendendo aos poucos como se joga.

O grande objetivo do Shohoku é participar do intercolegial (o campeonato nacional) e para isso precisa primeiro passar pelas eliminatórias regionais, enfrentando os times mais fortes da cidade. Com o desenrolar da história somos apresentados aos outros integrantes do time, que compõem a trama.

Isso tudo para impressionar as mulheres.
Isso tudo para impressionar as mulheres.

Shohoku Basketball Team

O time de basquete da escola Shohoku sempre foi conhecido como “o time de um homem só”, por ter apenas o pivô Akagi como um ótimo jogador e o resto do time de caras medianos para baixo. Sendo assim o Shohoku não conseguia se classificar para o intercolegial, ficando sempre atrás das principais forças da cidade. A coisa muda de figura com a chegada de 4 jogadores que mudariam a história daquele time para sempre. Os titulares do Shohoku são:

Takenori Akagi – O pivô e capitão do time. Também conhecido como GORI (Gorila), está no terceiro ano e seu maior sonho é disputar o intercolegial, mas nunca conseguia por não ter bons companheiros à altura. É o mais rígido do time e seus treinos são sempre puxados.

Hisashi Mitsui – Ala armador. É especialista em bolas de 3 pontos e já foi o MVP (jogador mais valioso) na época do ensino fundamental. Desiludiu com o basquete após uma lesão e virou membro de gangue. Arrumou briga com o time do Shohoku e se arrependeu depois de rever o técnico do time, o Professor Anzai.

Ryota Miyagi – Armador. Esquentadinho, é o menor do time, mas compensa com velocidade e muita técnica. Estava afastado do time devido uma briga com a gangue de Mitsui, onde foi parar no hospital. Assim como Sakuragi, sua motivação para jogar é uma garota, no caso a assistente Ayako. É o melhor amigo de Sakuragi.

Kaede Rukawa – Ala. É o craque do time. Conhecido como “O Super Novato”, devido às suas habilidades acima da média. É o típico anti-herói, tem um jeitão distante e é o oposto de Sakuragi: as garotas são apaixonadas por ele, além de sua habilidade.

Hamamichi Sakuragi – Ala pivô. Personagem principal. Apesar do porte atlético, nunca pegou em uma bola de basquete. Sua especialidade são os rebotes e sua determinação em quadra.

Mitsuyoshi Anzai – Técnico. Era conhecido como “O Demônio dos Cabelos Brancos” por seu método espartano de treinos, mas ao assumir o time do Shohoku se mostra uma pessoa extremamente calma e simpática, ganhando o apelido de “Buda dos Cabelos Brancos”. Estrategista nato, é considerado um dos melhores treinadores do Japão. É alvo constante das brincadeiras de Sakuragi, mas ele não se importa.

Evolução nos traços. Compare com as primeiras imagens.
Evolução nos traços. Compare com as primeiras imagens.

De três

Slam Dunk foi um mangá que me prendeu do começo ao fim. Eu nunca tinha ouvido falar da obra e só me interessei inicialmente justamente por ser um mangá esportivo. Vi aquela capa com o Sakuragi segurando uma bola de basquete e comprei sem pensar duas vezes e sinceramente lhes digo que não me arrependi em nenhum momento. É um mangá muito bem escrito, tem um ótimo desenvolvimento dos personagens principais, tem comédia na medida certa – Sakuragi é muito engraçado – e o elenco é carismático.

Eu nem vou me ater à elogiar os traços, pois seria chover no molhado. Nas imagens que ilustram este artigo é possível a evolução (e consequentemente a melhoria) dos traços do Inoue. E, se à despeito da maioria dos títulos do estilo você achar que Slam Dunk tem jogadas exageradas, pode esquecer. Todos os jogos são realistas.

Falando em jogos realistas, essa é a outra grande característica do mangá: absolutamente todos os jogos são emocionantes. Foi tão comum eu me pegar questionando “Será que agora o Shohoku perde?” em vários momentos do mangá. Eu considero o final de Slam Dunk o melhor final de mangá que já vi.

Slam Dunk sofreu forte influência do basquete dos Estados Unidos. Os 4 principais times da região de Kanagawa (Onde a história se passa) tem seus uniformes baseados em times da NBA, tendo o Shohoku as cores do Chicago Bulls, time arrasa-quarteirão da década de 90 que era liderado pelo mítico Michael Jordan.

Além disso, os jogadores do Shohoku foram baseados em jogadores da NBA, como por exemplo o protagonista Sakuragi que foi claramente inspirado em Dennis Rodman, conhecido por sua extravagância capilar e sua raça dentro de quadra, pulando em todas as bolas para salvá-la. Takenori Agaki, o Gori, foi inspirado em Patrick Ewing, grande pivô da década de 90 e assim vai.

"Quem domina o garrafão domina o jogo!"
“Quem domina o garrafão domina o jogo!”

Ficha Técnica: Anime

Dirigido Por: Nobutaka Nishizawa
Estúdio: Toei Animation
Tempo de Exibição: 16/10/1993 a 23/03/1996
Episódios: 101

Abertura original

Encerramento

https://www.youtube.com/watch?v=MVK4zbxFZu4

No finalzinho!

Para quem não curte ler mangás, Slam Dunk tem um anime de 101 episódios, mas que não é completo. Mostra apenas a parte das eliminatórias, deixando o Nacional de fora. Mas ainda assim é muito bom. Até hoje os fãs pedem para que Inoue faça uma continuação, mas eu sinceramente não gostaria. A história fechou um ciclo perfeito e o final é o melhor possível. Foi o melhor final de mangá que vi até hoje.

Infelizmente não posso me alongar neste artigo, pois queria muito citar alguns jogos marcantes da obra, mas aí eu também atrapalharia a experiência de vocês, não é? Então vamos combinar assim: Leiam o mangá ou assistam o anime e conversem comigo no Facebook do JapanZone sobre os seus momentos marcantes que terei o maior prazer em te responder.

NOTA: 10 de 10

Até logo, gênio!